Boas vindas a quem chega!

Este é um blog destinado a falar de tarot. Para escrever sobre tarot e suas infinitas possibilidades. Para ler tarot, presencialmente ou online.

Para agendar a sua leitura, entre em contato: pietratarot@icloud.com ou (11) 98136-2050

domingo, 29 de abril de 2012

Curiosidades do nosso mundo de tarot

em outros mundos...

Com o tempo, a experiência, a curiosidade vamos conhecendo coisas interessantes que são produzidas em nosso mundo de tarot.

Eventos. Publicações. Encontros. Aulas. De todos os modos. Muitas ideias que se transformam, se modelam, se ajeitam para cada realidade.

O Tarot da Morte - Ediciones Santa Muerte, MX
Porém, dar uma explorada no mundo dos outros, nos traz surpresas. Umas gratas, outras, nem tanto e, ainda, algumas bem curiosas. Como essa.

Direto do México, encontro um deck com apenas dos 22 maiores, sem um nome exato de autor, mas de trabalho da Ediciones Santa Muerte - e muito provavelmente feito para seus devotos, El Tarot de La Muerte aparece aqui em casa.

Como as nossas nacionais, é um publicação bem simples. Segue toda a ideia e simbologia do Waite-Smith e a Muerte se repete, mudando cores e "adereços".

De tudo, o que eu achei curioso é como se faz a Muerte se encaixar em todos os arquétipos... La Fortuna, La Luz, La Enamorada... E como é mesmo que, muito do que se faz como ser humano é um recomeço e uma escolha entre o velho e o novo... um ciclo de vida.

As interpretações do livro são bem dentro do que entendemos dos arcanos, talvez com jeitos mais rudes, no sentido de que é uma coisa mais direta ao ponto: A Torre, El Cambio é mudança drásticas; La Ermitaña é a busca e a sabedoria interior.

Uma coisa que tem tudo para ser meio chacota ou visto de olho torto é o reflexo de uma cultura. De uma que acredita na sacralidade da Morte e que a compreende como um passo, uma proteção até. Para que a vida continue, tantas, ah tantas, coisas morrem!

Pietra, devota

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Personagens e arcanos

Depois de uma pergunta, neste blog, sobre Penélope e seu papel como Justiça em um deck e rainha de paus em outro, fiquei pensando em como seria interessante explorar um pouco esse "mau entendido".

Na verdade, fiquei pensando em como um arquétipo pode caber em diversos personagens, mostrando tanto como personagens podem ser multi-facetados e arquétipos colocados em cada uma dessas facetas.

Mythic Tarot, de Liz Greene
Pegando o exemplo desses dois decks: Lover's Path, da Kris Whalderr e o Mythic, da Liz Greene, traduzido no Brasil pela Madras, Tarô Mitológico. Ambos decks usam histórias mitológicas para ilustrar o caminho dos naipes, dos arcanos menores. E, de fato, encontramos nas histórias das culturas e povos muitos dos arcanos e arquétipos do tarot. Por quê? Simples, porque são narrações contadas de pessoas, sobre pessoas para pessoas. E o narrar de histórias, sejam as míticas que explicam o mundo, pensamentos e crenças, sejam as tradicionais, folclóricas etc posicionam os humanos como humanos e dão o alento de que o que se passa, por pior que seja, já aconteceu e passou.

Lover's Path Tarot, de Kris Whalderr

Bem, um dos mitos que se repetem nos dois decks - e queria colocar que o Mythic é a base da minha formação como taróloga. E um deles é o mito de Psiquê. É um mito que explica como a alma (Psiquê) se encontra com o amor (Eros) e depois de passar pelas durezas do mundo físico (desafios de Afrodite), ela se diviniza. Alma encontra o Amor e vai aos Céus.

O que é interessante?
No Mythic Tarot, essa é a história do naipe de copas. E Afrodite é o Ás de Copas.
No Lover's Path, essa é a história do naipe de espadas. E Afrodite é a Rainha de Copas.

E, em outros decks, encontramos Afrodite/ Vênus em outras cartas/arcanos:
- Pagem de Copas: Animals Divine, da Lisa Hunt
- Amor, ou Enamorados: Goddess Tarot, da Kris Whalderr
- Mundo: Tarô Dourado de Boticelli.

O que isso quer dizer?
Quer dizer que uma Deusa, uma figura mitológica, uma ideia humana sobre o que é divino pode se encaixar em diferentes papeis em diferentes contextos.
Isso se relaciona aos significados que damos aos personagens, contextos, palavras.

Em um contexto de amor puro, Afrodite é uma senhora soberana do amor mais dourado e celeste.
Ela também pode nos ajudar a cuidar dos corpos dos mortos, como uma última homenagem e ato de amor.
Ela pode ser o calor do corpo físico que encontra outro.
Ela ama o Guerreiro, Ares; o menino Adônis...

Psiquê, nossa alma divinizada, pode ser a personagem de copas, nos mostrando como os sentimentos e as emoções fazem a alma evoluir. Ela também pode ser uma marca dos pensamentos e manifestações mentais que animam o corpo.

As marcas humanas estão em suas palavras. Em suas manifestações em diversas linguagens. Seja pelo tarot, pela escrita, pelas Artes Plásticas, encontramos o Amor, a Beleza, a Alma podem significar coisas diferentes para diferentes pessoas.

Emprestar uma delas para fazer um deck de tarot é usar uma alegoria. Porque o arquétipo é tão antiogo e humano quanto a própria humanidade. O deck é uma forma de enxergá-lo!

Pietra, de Afrodite

domingo, 22 de abril de 2012

Penélope

e a Justiça.

No Lover's Path Tarot, a Justiça é representada por Penélope. Embora muitos não reconheçam, Penélope foi uma tremenda heroína, pois ela esperou pela volta de seu marido, o rei Ulisses de Ítaca e nesse meio tempo, criou o filho e "deu um chapéu" magistral nos bobões que acharam que poderiam usurpar um trono.

Penélope é descendente de espartanos. Ela conhece a força e a disciplina. Ela fez o que é correto. Que sim, é o papel de qualquer rainha - de uma comprometida, pelo menos.

Fazer o melhor pelo povo, principalmente em tempos de guerra e há, mais ou menos, 2500 anos atrás, era uma coisa complicada... nada, nada são bocas que precisam ser alimentadas e estão sob as suas decisões... Imagina colocar um tirano no lugar de um rei?


Responsável, como a Justiça tem de ser, Penélope cuidou de seu povo, seu filho, sua linhagem e de sua cama.

Minha homenagem à heroína Penélope, que me inspira nesses tempos de oceanos e terras distantes.


Amado,
As águas que nos separam são vastas. Penso que, por momentos, frias demais. Mas aqui em seu reino, seu nome é honrado, sua pessoa sempre lembrada. Talvez, antes de todos, por mim.

Saiba que sua ausência me ensinou muito sobre soberania e liderança. E acredito que assim, nosso reino prospera. Os nossos não tem fome, nem necessidades. A única pode ser a falta de seu rei. No entanto, sei que tudo se trata de tempo. O mesmo que está
aplicando tantas lições sobre ser dona da terra, sobre ser da terra - e detalhes de sua dureza ou flexibilidade - será o mesmo que o trará em bons ventos.

O braço firme, que me recorda Esparta ancestral, tem sido presente. Não apenas de mãos tecedeiras, de fios e palavras, nosso reino é mantido. Não. Mãos também se sujam, calejam e machucam. É parte do trabalho. É o que permite que o é desse lugar não seperca. Ser rainha tem o pulso, a mão, os dedos e as costas flexíveis e trabalhadores.

Nessa ausência toda aprendi também que ser soberano da vida não é feito tão somente de beleza e glória. Bem, talvez essa glória seja feita do suor do rosto de quem a mantém.
Se nossos ancestrais eram os que tinham a terra sob unhas, por quê não, nós, hoje donos daqui, temos de viver apenas de banquetes e joias?

A beleza está em construir. Para fruir, sim. E preparar. Para os que estão por vir.

Ulisses, preciso que saiba que seu reino está seguro. Mas que o aguarda. Uma nação de rei e rainha é fértil. Saudável. E feliz.

Que essas palavras te encontrem em paz e em franco retorno.

Sua, sempre,
Penélope

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Confraria Brasileira de Tarot - 2012

Estamos fazendo mil planos e várias surpresas excelentes!

Em 2011 - Sarah Helena, Pi, Edu, Marcos, Nádia
& Nei
Coisas excelentes do ano passado vão ser melhoradas, como o sorteio dos decks... Esse ano, muito especiais, cedidos pela Priscilla Lhacer, do site, Amor, o Próprio!

Já saibam que o evento acontece em São Paulo, nos dias 5, 6 e 7 de julho - como ano passado. E que vai ser no mesmo Faces da Lua - como o ano passado - na Vila Mariana, pertinho do metrô e da Av. Paulista.

Uma outra ótima notícia é que, como no ano passado, o valor do convite se mantém em R$35,00 pelos três dias de evento. Na sexta-feira teremos um credenciamento e uma interessante exploração de linguagens artísticas e tarot.

Quando Edu Scarfon e eu pensamos na Confraria Brasileira de Tarot foi por um desejo imenso de compartilhar com a sociedade uma paixão: o oráculo tarológico. Acreditamos que passar um tanto da nossa experiência e convidar outros com diferentes e mais amplas experiências ainda nos possibilita aprender, reciclar, pensar, resignificar.

Kelma Mazziero e as personalidades dos
arcanos maiores - 2011
Então, fica o convite: venha à Sampa no comecinho de julho desse ano!
Será um evento que fala tarot em diferentes e múltiplas linguagens!

Bjos
Pietra, co-organizante

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Máscaras

Tarot of Masks
Arte em papel: Philip Valdez
http://phillipvaldez.blogspot.com.br/2009/01/tarot-of-masks.html
Numa brincadeira das crianças, hoje, na escola, me bateu como é que as pessoas, mesmo bem pequenas, mudam quando estão com uma máscara sobre seus rostos.

Que artefato poderoso!

Mudou o comportamento de uns... para os deixar mais arrojados para brincar. Liderar. Fazer.
Outros, convidou a ser seu animal favorito, e com a máscara, a criança era o leão em atitudes e gestos e barulhos. Mais: os outros não viam mais o menino: viam o animal selvagem. E dele fugiam, com medo... com velocidade.

Máscaras de fases que a Lua nos mostra... sua face toda, quiçá, na cheia se enxerga.

Mas é sempre assim, eu imagino. Em dado momento, é o rosto cheio e resplandecente de luz que se apresenta.
O leão se vai.
Quem corria, se cansa.
E todos voltam ao seu ser.
A máscara?
Bom, ela deu um gostinho... quem sabe alguma coisa lá no fundo.
Tomara que seja da Temperança e não do Diabo de colocar esse fundinho pra fora.

Pietra, desmascarando...

terça-feira, 17 de abril de 2012

Tarot e cuidar de si

Ser tarólogo, estar com o tarot é um movimento que vai muito além de saber uma série de símbolos e fazer leituras. Ser tarólogo, como eu já mencionei um número de vezes, é conhecer uma linguagem - mais uma entre as tantas que nos cercam, entre tantas que nos permitem expressão.

Quando apredemos a entender essa linguagem, imediatamente, começamos a fazer diálogos nela. Os primeiros, sempre conosco.

Talvez por isso, o tarot seja uma procura de conhecimento e de entendimento de si.

Muitas pessoas começam nesse caminho numa tentativa de compreender o que se passa com ela e com vontade de entender o que acontece ao seu redor que não apenas seja palavras e conversas. O que mais, entre todos nos, acontece? Une? Nos coloca no patamar de humanos?

Sim, o tarot, como uma linguagem, mantém nossa humanidade. Por ele, histórias humanas de todos os tempos se contam. E aqui, as pessoas se reconhecem. Olhos nos olhos.

Assim, pegar um baralho e conversar com ele pode ensinar muito sobre si. Porque exercita o pensar. Ponderar. Pesar. E, quiçá, agir.

3 de espadas. Como eu passo por isso? Pelas palavras duras?
10 de copas. Como eu compartilho alegria com meus próximos?
7 de ouros. Será que espero? Será essa a melhor oportunidade? Como vou saber? Quem sabe um 3 de ouros me mostre o momento certo.

Montando esses diálogos somos capazes de compreender como é que arquétipos, efetivamente, são as nossas vidas.

Paulina Tarot
Aprender a ser pessoa. A cuidar dessa pessoa. A manter a humanidade. Entre o 9 de espadas e o 9 de copas, vivemos.

Pietra, que acredita em linguagens... mais de 100!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Buscar a beleza

Enamorados + ás de copas. E uma vontade muito grande de ver as coisas encaixadas, bonitas. Uma vontade de me olhar, cuidar e saber o que tem de melhor por aqui.

Shadowscapes Tarot
Pensando um pouco nas minhas lições semanais, resolvi fazer uma pesquisa, bem a esmo, na web. Me deparei com um tópico que me parece muito apropriado para essa combinação: Procurar a beleza.

E fiquei pensando em como apurar o olhar para ver, enxergar mesmo coisas bonitas, atos bem feitos, estruturas harmoniosas nesse mundão de meu Zeus deixa nossos olhos limpos. Literalmente, como um colírio.

Reconhecer as belezas faz com as pessoas se desarmem um pouco... que confiem que existe uma forma equilibrada de ser, de existir... E, voilá! Lá está a beleza que está dentro dos olhos. E que sempre esteve.

Beleza alimentada na percepção ganha força... e salta aos olhos. Nos permite viver em florescimento com a vida. Nas ondas que vão e vem sobre a areia da praia, elementos da vida vão e vem... mas a praia... o mar? Sempre ali.

Então, por que não, nessa semana, abrir os olhos e a alma para o que é belo? E se perceber assim? Cada dia, melhor!

E o que é feio? Agressivo? Desarmônico? Tudo existe... Onde, a sua beleza fortalecida, pode te ajudar a apaziguar, organizar? Oferecer beleza é de uma generosidade ímpar!

Pietra, de copas.

domingo, 15 de abril de 2012

Enamorados erguem suas taças

Na leitura da semana, o ás de copas aparece como uma lição para se aprender.

Touchstone Tarot
Assim, imediatamente penso na essência do sentimento que Enamorados têm um pelo outro.

Essência da água no tarot, o ás de copas aparece com as primeiras gostas e leva para uma cachoeira de emoção, sentimentos, inspiração.

Talvez cada coração enamorado seja um ás de copas!

Pietra, que ama de verdade!

sábado, 14 de abril de 2012

Encontro com tarólogos

Hoje fui ao (re)lançamento do livro "Tarô: simbologia e ocultismo" do Nei Naiff, ed. Nova Era.

Foi um encontro de muitos amigos... de gente que a gente vê qse todos os dias pela internet que se encontra. E de gente que deixa de ser uma arroba na tela e se manifesta pessoa na nossa frente.

Sabe, conhecer as pessoas, poder conversar olho no olho faz com que muita coisa se resolva.

Tornar-se pessoa é estar com as pessoas. E conhecer seus arquétipos. E de seus arquétipos, suas peculiaridades.

Tarólogos são pessoas. Profissionais... estudiosos. Mas tb pais, filhos... Gente com preocupações, problemas e alegrias.

A todos, meu carinho!

Pietra, que ganho uma Imperatriz do Nei Naiff e está feliz!

terça-feira, 10 de abril de 2012

Pra mim!

Conversando com uma amiga, tivemos uma ideia cada vez mais forte de que seria interessante fazer um estudo do livro "Tarot for Yourself" da Mary Greer...

Estamos pensando em fazer um grupo online... como as aulas de arcanos maiores, menores e leituras que eu costumo fazer.

Interessa para alguém?

Pi, curiosa...

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Tocar as cartas

Lendo os livros que acompanham os decks Golden Tarot e Touchstone Tarot, ambos da australiana Kat Black, me deparei com uma parte sobre "perguntas frequentes". E uma delas era sobre deixar pessoas tocarem as cartas...

Sem dúvida que voltamos para aquelas coisas de "mitos" do tarot... Quero dizer, tem muitos jeitos de encarar a coisa. De uma mais mística, energética, esotérica, mundana, simplista, simbolista... E sabe-se lá mais quantas.

Bom... vou colocar um tico do que eu penso... E isso se relaciona diretamente com o que se acredita sobre o tarot oráculo.

Sim, eu penso que lidar com o oráculo é lidar com energias muitas. As suas, tarólogo. As do consulente. As das cartas. Porém, acredito que precisamos colocar isso tudo para funcionar junto. Logo, é essencial, na minha opinião, que as pessoas toquem as cartas. E mais, que interajam. Que conversem. Que se faça perguntas, resumos. Tudo na leitura de tarot é interpretação.

Evidente que, quando não na consulta as cartas existem e estão ali. Não impeço as pessoas que as toquem. Mas que sejam cuidadosas, claro. Como gostaríamos que fossem com nossos livros ou com um tablet, por exemplo. Cuidado com o que é do outro. Respeito. Primal!

Acredito que, em cada leitura, quando pegamos as cartas de seu lugar de descanso, e as embaralhamos, estamos NOS preparando e AS preparando para um novo momento. Estarão como nós. Prontos. Ou não.

Tarólogo, é vc quem lê e lida. É você quem media a significação das cartas, do contexto que desenham com a vida do consulente. Assim, se você não está bem, as cartas podem estar embaladas em algodão egípcio de 5 mil anos. Não vai acontecer.

Tarot é humano. E dO Mundo. Somos humanos.

Pietra, que gosta de compartilhar seus decks com quem mexe neles com cuidado.

domingo, 8 de abril de 2012

Lidar com tarot é...

uma questão bem diversa.

Lidar com o tarot, gostar dele, estudar não quer dizer que um vai virar tarólogo. Mesmo porque, não necessariamente é uma coisa que se quer.

Mexer, conhecer com tarot não implica imediatamente que a leitura para outros está envolvida. Nem sempre quem estuda quer isso. Quer se abrir para o público.

Há quem quer conhecer... para si, como instrumento de meditação. Como uma pequena terapia. Como um instrumento para melhor olhar para si. E para quem se é em um momento (insira aqui um arcano).

Lidar com tarot é estar com o deck. Conhecê-lo - em profundidade.

Fazer leituras? Bem, é lidar com o ser-humano.

Acredito que o importante seja saber o que se faz. Que tarot não é qualquer outra coisa que não um oráculo. Ele não vai trazer qualquer um de volta ou amarrar. Não vai pontuar o que vc tem de fazer.

Tarot é um mapa. Um livro. E como tal, se lê e interpreta. Da significação das palavras, fazemos um caminho. Lidar com o tarot é saber dessas palavras. Conhecer seu significado e ampliar sua significação.

Tarot pode ser jogado. Lido. Interpretado. Dançado. Dramatizado. Picaretado. Tarot é humano. Nós também.

Agora, em querendo ser um tarólogo, sê bem vindo! É um trabalho. Como outro qualquer. Tem dor de cabeça. Problema. Recompensas. Reconhecimento. E sim, pessoas.

Tarot é humano. Nós também.

Pietra, que ama o oráculo. E sabe que suas cartas são, essencialmente, humanas.

sábado, 7 de abril de 2012

Os Enamorados para a lunação

Deviant Moon Tarot
União e paixão... dessas que inebria.
Só estou pensando qual será o primeiro desafio de tanto coração.

Domingo, descobriremos!

Tem horas que eu penso que, por mais que a gente se cerque de coisas, são sempre as pessoas... é sempre o toque, o olhar, o estar junto. Isso é que faz toda a diferença.

Pietra, pensando em um lugar, sereno e tranquilo para a gente se amar...

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Mês da Temperança

Cat's Eye Tarot
Ele se foi.
E me mostrou umas coisas...
Primeiro de tudo, que foi um mês de muitas rainhas... De ouros, de copas... A Imperatriz.

Moderar o que é ser mulher em seus diferentes postos, fazeres e entendimentos é um trabalho complicado. E nem sempre de alegrias.

Mulher tem seus sentimentos... tem as coisas que não são simples.

A Temperança transforma sentimentos em fisicalidades. E tem horas que dói.

Mas existe a volta. E A Temperança depois de nos colocar no jarro da dor, nos joga para outro, e somos outra. Uma mulher mais forte. Quiçá, mais leve.

A Temperança, não a toa, está entre A Morte e O Diabo... tudo que termina x o que excedemos para não sentir dor. Bendito bálsamo de ser o que realmente somos.

Pietra

terça-feira, 3 de abril de 2012

Primeiro Encontro de Tarô de Paranapiacaba

Dia 5 de maio, a partir das 12hs.

Como parte das atividades da grandiosa Convenção de Bruxas e Magos de Paranapiacaba, Nei Naiff e eu organizamos um pequeno encontro para quem ama, é curioso ou quer conhecer o tarot.


Assim, é com alegria que partilho o programa do

Primeiro Encontro de Tarô em Paranapiacaba – Diálogos com o Tarô 

Organização e Coordenação Nei Naiff e Pietra di Chiaro Luna

12h00min – Apresentação Pietra di Chiaro Luna e Vera Chrystina.

12h00min – O que é o Tarô? - Com o tarólogo Léo Dias

13h00min –22 Arcanos maiores – Com a taróloga Priscilla Llacer

14h00min – 56 Arcanos menores – com a taróloga Drika Lopes

15h00min – Como funciona uma consulta – com o tarólogo Euclydes Cardoso Jr.

16h00min – Conselhos com o tarô – Mesa com todos os presentes.

Para informações sobre o encontro ou toda a programação da Convenção de 2012, entre no site:
www.casadebruxa.com.br ou http://www.casadebruxa.com.br/convencao/2012/index.html
ou tel: (11) 4994-4723

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Sê bem vindo!

Os sinais estão em todos os lugares.

Shadowscapes Tarot
Por mais que achemos que estamos no controle, tem horas que nem do corpo a gente sustenta mais. E vem os outros. E contamos com eles.

Temperança vem me ensinando que contamos com um cortejo de gente que se convertem em um momento.

Alguns momentos, precisamos sim nos entregar.

E quando voltamos aos nossos pés, que alegria.

Depois de uma pequena crise física, peguei meu deck de novo... e foi como abrir um deck novo. Que beleza de cores.

Oi, senti sua falta.
Eu tb!

domingo, 1 de abril de 2012