Boas vindas a quem chega!

Este é um blog destinado a falar de tarot. Para escrever sobre tarot e suas infinitas possibilidades. Para ler tarot, presencialmente ou online.

Para agendar a sua leitura, entre em contato: pietratarot@icloud.com ou (11) 98136-2050

domingo, 22 de abril de 2012

Penélope

e a Justiça.

No Lover's Path Tarot, a Justiça é representada por Penélope. Embora muitos não reconheçam, Penélope foi uma tremenda heroína, pois ela esperou pela volta de seu marido, o rei Ulisses de Ítaca e nesse meio tempo, criou o filho e "deu um chapéu" magistral nos bobões que acharam que poderiam usurpar um trono.

Penélope é descendente de espartanos. Ela conhece a força e a disciplina. Ela fez o que é correto. Que sim, é o papel de qualquer rainha - de uma comprometida, pelo menos.

Fazer o melhor pelo povo, principalmente em tempos de guerra e há, mais ou menos, 2500 anos atrás, era uma coisa complicada... nada, nada são bocas que precisam ser alimentadas e estão sob as suas decisões... Imagina colocar um tirano no lugar de um rei?


Responsável, como a Justiça tem de ser, Penélope cuidou de seu povo, seu filho, sua linhagem e de sua cama.

Minha homenagem à heroína Penélope, que me inspira nesses tempos de oceanos e terras distantes.


Amado,
As águas que nos separam são vastas. Penso que, por momentos, frias demais. Mas aqui em seu reino, seu nome é honrado, sua pessoa sempre lembrada. Talvez, antes de todos, por mim.

Saiba que sua ausência me ensinou muito sobre soberania e liderança. E acredito que assim, nosso reino prospera. Os nossos não tem fome, nem necessidades. A única pode ser a falta de seu rei. No entanto, sei que tudo se trata de tempo. O mesmo que está
aplicando tantas lições sobre ser dona da terra, sobre ser da terra - e detalhes de sua dureza ou flexibilidade - será o mesmo que o trará em bons ventos.

O braço firme, que me recorda Esparta ancestral, tem sido presente. Não apenas de mãos tecedeiras, de fios e palavras, nosso reino é mantido. Não. Mãos também se sujam, calejam e machucam. É parte do trabalho. É o que permite que o é desse lugar não seperca. Ser rainha tem o pulso, a mão, os dedos e as costas flexíveis e trabalhadores.

Nessa ausência toda aprendi também que ser soberano da vida não é feito tão somente de beleza e glória. Bem, talvez essa glória seja feita do suor do rosto de quem a mantém.
Se nossos ancestrais eram os que tinham a terra sob unhas, por quê não, nós, hoje donos daqui, temos de viver apenas de banquetes e joias?

A beleza está em construir. Para fruir, sim. E preparar. Para os que estão por vir.

Ulisses, preciso que saiba que seu reino está seguro. Mas que o aguarda. Uma nação de rei e rainha é fértil. Saudável. E feliz.

Que essas palavras te encontrem em paz e em franco retorno.

Sua, sempre,
Penélope

2 comentários: