Boas vindas a quem chega!

Este é um blog destinado a falar de tarot. Para escrever sobre tarot e suas infinitas possibilidades. Para ler tarot, presencialmente ou online.

Para agendar a sua leitura, entre em contato: pietratarot@icloud.com ou (11) 98136-2050

domingo, 30 de outubro de 2011

Chá de Tarot com Tarot Game

Vamos jogar?

Um dos encontros do Chá de Tarot de novembro acontece no Faces da Lua, em SP e será uma oportunidade de lidar com o tarot de uma forma lúdica e muito interessante!

Dia 5 de novembro de 2011, sábado - a partir das 15hs.
Faces da Lua - http://www.facesdalua.com.br

Dúvidas?
dichiaroluna@gmail.com

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

E quando uma carta encardida sai como conselho?

Uma coisa que aprendi esse ano é a importância que existe em dar ao consulente poder.

Por quê?

Oras bolas, se a pessoa que vem te procurar dificilmente o faz porque está feliz da vida, por que não dar a ela uma chance de, além de estar com a leitura engatilhada, se dermos um bom conselho, damos para a pessoa um gás para ela ir mais além e fazer o que precisa ser feito.

A entrada que eu dou para quem tira essa última carta da leitura é: o que você precisa fazer para ser o melhor você que for possível?

Agora, é muito legal quando vem uma carta como um Mundo ou um 3 de copas... só que por vezes é uma carta encardida... e aí?

Housewives Tarot
Simples... é perceber que lição vem dela.

Por exemplo, 5 de espadas. Geralmente vem um sentimento de: ai, meu deus... alguém vai passar por cima de mim... Então, olhando a coisa toda, vendo todos os possíveis cortes que vem, o que pensamos: que sejamos humildes para compreender o que é conosco, mas que não sejamos bobos para deixar que pisem em cima. E qual a diferença? Um sentimento interior.

Sabe, tem horas que tudo é uma questão de colocar a vida em perspectiva e saber que não somos tão lindos, tão legais ou tão inteligentes quanto pensávamos.

Sim, quando um 5 vem como conselho, é um de desestabilizar para podermos ganhar uma certa perspectiva, aprender alguma coisa - O Hierofante, não é mesmo?

Assim, fica o convite, qual é a lição da carta que vc considera mais encardida?
Pietra

sábado, 22 de outubro de 2011

Um deck maravilhoso - Legacy of the Divine Tarot

do Ciro Marchetti.

Quando o Nei Naiff fez a proposta de fazermos um tabuleiro de tarot na sala de Tarô e Oráculos da Mystic Fair esse ano, pensei que haveria uma enxurrada de cópias de cartas do Shadowscapes Tarot - que eu penso ser um dos decks mais lindos, mais belamente ilustrados que eu conheço. Sabe qual foi a minha surpresa? Das cartas que foram trazidas, 40% eram cartas do Ciro Marchetti... Preponderantemente o Gilded Tarot. Mas o Dream e o Legacy tb figuraram.

E eu fiquei pensando: como é que esses decks atraem tanto? Simplesmente porque eles têm um cuidado e tratamento de imagem muito bem feito.

A qualidade imagética está na sua estrutura, claro, mas vale dizer que existe uma consistência simbólica. Assim, é como ver uma fotografia do que sabemos que está lá, aliado com imagens de tempos distantes ou dimensões paralelas.
São decks que transportam, que apresentam possibilidades que fazem a imaginação ir longe.

Um detalhe também importante dos decks é que o Ciro é tarólogo. E é artista. E penso que isso faz muita diferença, pois uma pessoa que conhece o significado e os signos de cada arcano pode deixar o trabalho fluir, sem criar um deck escalafobético.

Legacy of the Divine Tarot além de todo isso, conta uma história.

O que aconteceu com aquela civilização que sumiu, mas que deixou nesse deck suas lições e sua História? E eu fico aqui pensando com meus botões, se a nossa civilização se fosse, será que nossos movimentos não estariam mesmo no nosso tarot? E como será que outros compreenderiam os símbolos, em um outro tempo?

Visite o site do Ciro Marchetti, conheça seu trabalho e apaixone-se também!

Pietra

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

4 de espadas

Sabe quando uma carta aparece pra vc no seu mexer diário com o tarot quase todos os dias?

Assim anda acontecendo com o 4 de espadas.

Tarot of Trees
http://www.tarotoftrees.com/
Engraçado que, nas tiragens mensais que eu faço para mim, ele não é um arroz de festa como é o Cavaleiro de Copas, por exemplo, ou como O Mago andou fazendo, mas nas olhadas diárias e conversas de "como vai ser o dia"?

E por dias, o 4 de espadas vinha e voltava.

E eu, vinha e voltava com ele. Parava. Tentava me organizar... Mas sabe quando sempre fica uma coisa na sua cabeça? Uma que, em tempos de Eremita, deveria fazer com que vc dormisse uma boa noite e, na manhã seguinte, pudesse lidar melhor com as coisas. Pois bem... não rolou.

Sabe quando tudo parece que apurrinha? Irrita? Chateia? Sabe quando é 8 de espadas? Pois é.

Então, uma coisa muito boa e muito prática me ajudou a me acalmar e a ter a paz, a colocar uma espada do lado da outra: escrever.

E não me refiro a escrever linhas e linhas como eu gosto e costumo fazer. Foi escrever roteiros. Curtos - fiz isso, agora isso... agora falta X. Pronto.

Planejamento é uma coisa que me deixa muito segura - jura casa 10 em Capricórnio e casa 6 em Virgem? Juro!

Acredito que isso foi um movimento do Eremita: o que vc, pessoa, precisa fazer para resolver isso? E aí, se aprende ou se usa uma estratégia. Agora, se sair um 4 de espadas pros meus lances de trabalho, vou saber: pare, escreva o que vc precisa fazer, siga em frente.

Pietra, carregando post-its.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Keep hungry, keep foolish

Legacy of the Divine Tarot
Quando Steve Jobs falou "mantenha-se faminto, mantenha-se bobo" no seu famoso discursso em Stanford, CA, falando inclusive de que esta foi uma frase que o marcou. Ela estava num almanaque que, quando ele era adolescente, era quase como a Wikipedia.

Quando eu ouvi essa parte do discurso, imediatamente, pensei no Louco... Pulando, saindo, voando, correndo, olhando para cima, seguindo... com seu cachorro...

Um louco que inventa uma coisa que converge música, internet, telefone...

Se o tarot fosse feito hoje, lá, na malinha do Louco teria um iPhone =) E o cachorrinho diria: recarregue! Não esqueça o carregador!

Onde vamos com isso? Aprofundando nossas relações, possibilidades de ler livros, falar com pessoas... iMessage, Facetime, Kindle...

Ficamos bobos com tanta tecnologia, com coisas legais... temos fome... de aprender e fazer mais!

Pietra, hungry and foolish

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Tarot e escrita

A minha palestra na Mystic Fair foi sobre Tarot Journaling, ou seja, sobre fazer um diário de tarot. E como é importante que mantenhamos nossos registros, pois é por meio deles que podemos ver as nossas marcas.

Imagem:
http://101nights.wordpress.com/

Palavras são marcas. São símbolos para usarmos na significação de símbolos - os dos arcanos.

E isso foi o que eu achei mais engraçado... quase paradoxal. Que precisamos das palavras para concretizar nossos pensamentos, nossa trilha com outros símbolos, com o outro código que é o tarot. E nem sempre as palavras conseguem exprimir o que tem no signo que o tarot carrega.

Escrever nos ajuda a manter. E a observar, avaliar, mudar de ideia e saber o que e quanto crescemos... ou mudamos nossas hipóteses. Nos ajuda a ver o que vivemos e como as coisas se dão na teoria, claro, precisamos estudar, mas também na prática.

Por isso, eu convido.
Anote leituras.
Pontos importantes de livros.
Ideias que aparecem frente a arcanos.
Seja pontual e conceitual.
Seja livre e associe ideias.
Tenha lembranças.

E o principal... não escreva por escrever, que não seja qualquer coisa.
Escreva, conte ao papel ou ao computador ou ao tablet (o que é o formato hoje em dia?) o que vale a pena ser contato. O que parece simples, mas pela sua percepção, entendimento ou vivência ganham poesia... ganham um significado em si e a beleza de se relacionarem e fazerem sentido.

Pietra, escrevendo.

domingo, 16 de outubro de 2011

Aplicações práticas

Uma forma de olhar e aprender o tarot é ver como ele se dá na nossa vida... isso ajuda a acabar com o obscurantismo e com o sobrenatural e nos ajuda a ver como o tarot é sim instrumento: de previsão que nos ensina quem somos em momentos todos da vida... instrumento para percemos os movimentos humanos.

Bom, vamos fazendo umas tentativas... Onde estão na vida os arcanos de tarot.
Tira a carta e observa... como podemos transformar uma "cartinha" de tarot numa situação da vida?

Bom, hoje aconteceu uma coisa curiosa com A Justiça. E até com espadas.

Druidcraft Tarot
Depois de receber um telefone a respeito de um papel que precisava ser assinado urgentemente, mas que a pessoa que ligou não tinha ideia do que era, não me furtei. Tirei as cartas.

4 de espadas. Justiça. Cavaleiro de Espadas.

Na hora pensei... ixi... coisa legal... tomara que não seja multa (movimento do cavaleiro).

Fui até o escritório. Era um contrato. Um adendo, na verdade... e lá estava eu frente a uma coisa de Justiça (trabalhista). O lance é que eu não tinha aquele adendo e sabia disso. Quero dizer, eu sei o que tem no meu contrato e aquela clausula não é uma delas.

Foi quando veio. Justiça. Não se faça de idiota... avise que isso não faz parte. Claro que isso me fez por de lado um aumento de salário. Mas, se a Justiça veio, não ia conseguir mentir e, se o fizesse, será que o é meu, iria chegar certo no momento certo?

Justiça é reconhecer seu lugar. Saber o que é seu e o que não é. E não mentir, nesse caso, é o Justo... e mais que isso, o Verdadeiro.

Pietra

sábado, 15 de outubro de 2011

Curso online de Leituras e TIragens - dúvidas

Recebi alguns e-mails, então, vou fazer algumas considerações:

-Quem pode fazer o curso? Há pré-requisitos?
Não. O curso pode ser feito por quem lida tanto com arcanos maiores como arcanos maiores e menores juntos. Na verdade, as leituras que serão exploradas podem ser feitas com qualquer oráculo: cartas ciganas, ogham, runas, tarot, cartas... Sem dúvida que isso tudo ajuda na prática e nas ideias de tarot, mas qualquer um pode fazer o curso com qualquer oráculo.

- Data.
Estou pensando seriamente em colocar o curso nas quartas à noite. =)

- Valores.
O pagamento pode ser feito em 2x.
Me escreva para conversarmos.

- Skype. É preciso =)

É isso! Começamos semana que vem!

Pietra, preparando material!

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Que carregas, Eremita?

Nessa pegada de como símbolos da humanidade progridem com o tempo - e talvez, com a especulação - vejo um arcano, com um símbolo que, dentro do arquétipo, ganhou uma modificação.

O Eremita.

O senhor que caminha ou que se leva para longe da civilização, como O Louco, carrega algo... E esse algo mudou com o tempo...

Uma ampulheta era o mais comum quando as primeiras cartas de tarocchi apareceram. E, o sábio, poderia ser inclusive, corcunda. Uma pessoa que em sua diferença das pessoas, carregava nas mãos, o tempo.

Com o passar, bem, do tempo, a ampulheta se tornou uma lamparina. E, embora o formato seja muito semelhante, as funções, para o ser humano são um tanto diferentes. Será que a forma de entendê-las seja igual?
Ansata Tarot

O Eremita nos fala de afastamento e de sabedoria. Um afastamento do burburinho da civilização para um retiro para dentro de si. Onde estão as respostas? Sim, sempre dentro e com o andar solo que podemos encontrá-las, em calma e paz. Agora, a lanterna e a ampulheta. O que elas dizem?
- que a sabedoria e as respostas que estão internas iluminam o nosso caminho?
- que é o tempo que nos permite perceber as respostas que precisamos?

Não será o tempo que permite que nossas experiências e conhecimento se tornem sabedoria. E antes da mudança do tempo, A Roda, não temos mesmo o lampejo da sabedoria? O reconhecimento do que precisamos fazer para efetivamente, fazê-lo?

Como disse Steve Jobs, talvez não consigamos juntar os pontos imediatamente a medida que fazemos as coisas, que estudamos que procuramos, mas que devemos continuar procurando até que encontremos - o que amamos - o que nos satisfaz. Seja uma resposta, um trabalho, um amor, um fazer.

Anda, Eremita... senta e observa... O que te melhor te apraz? Ampulheta ou lamparina?

Pietra, buscando algumas respostas

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Símbolos vivos

Durante as palestras na sala de tarot da Mystic Fair e depois de ouvir um tantão de coisas, eu fiquei pensando em umas coisas... e uma delas é como uma coisa pode ganhar ou perder uma aura de mistério com a manifestação popular.

Nei Naiff nos levou um video, um documentário do History Channel contando um tando de como o baralho (de jogar, o comum) foi andando pelo mundo e chegou na Europa, do oriente, com soldados e comerciantes e caiu no gosto do povo... lá para a época de que Gênova era um grande centro comercial - sim, sem Atlântida... Também nos conta dos trunfos, trionfi, que fizeram com que os jogos de tarocchi ficassem mais interessantes. E ali, estavam cenas comuns ao mundo do início da renascença para todas aquelas pessoas... Um tempo quando o Papa tinha uma função muito reconhecida - e quando o cristianismo era preponderante na Europa - e na qual Morte levava MESMO todos - vide peste negra.

E assim, as pessoas se divertiam e as cartas se popularizavam, chegando até a serem proibidas... Imaginem, pessoas, a Igreja entendeu que elas levavam ao vício e que as pessoas produziam menos pq queriam jogar cartas - ah, o que não veio mais pra frente.

Bom, fato é que as coisas estavam ali. E todo mundo, 4 de copas, tinham aquilo por dado. E é aí, que a vida dos símbolos, dos desenhos, ganha um toque... e acredito que seja uma coisa que, hoje seja um tanto mais simples, pois temos mt acesso a quem faz os decks.

Imagino um dia, soldados jogando tarocchi. Do nada, um começa a olhar mais torto para as cartas. Pensa alto:
- Este rei tem 4 braços. Ninguém tem 4 braços. Por que será?
O outro, cerrando os olhos para ver a imagem melhor, responde:
- Nossa. Verdade. De onde será que isso veio.
Um terceiro que passava, ouve a conversa, e esclarece:
- Bom, eu ouvi dizer que no oriente existem mesmo homens que tem 4 braços e estátuas de homens azuis com muitos braços.
O primeiro, animado com a respostas e incitado pelo mistério de uma terra tão distante, logo emenda:
- É mesmo. Talvez esse seja um rei com muitas habilidades, capaz de lidar com muitas coisas...

Nem preciso dizer o que eu quero dizer com isso. As ideias vão longe. Depois de um tempo, quando os arcanos maiores foram ganhando seus símbolos, as conjecturas cresceram mais e mais e assim, se encontram símbolos massônicos, iluminatti, budistas, islâmicos e o que mais desejemos. Por quê?

Oras bolas, porque os símbolos e as representações são dadas a todos os grupos humanos e com o crescer humano no mundo, eles vão ganhando mais e mais significações. Claro que algumas coisas são mais universais, outros, pelas características culturais, ganham nuances. E esses nuances, talvez, se tornem mistérios. Por isso eu sempre penso - e convido:

- O que será que isso (insira arcano maior) significa (significou) para a humanidade?

Conhecer o núcleo do símbolo, pode não matar o mistério, mas mata a especulação psíca...

Quanto aos arcanos menores? Bom, é sempre importante lembrar que estamos lidando com um conjunto que foi feito para jogar, divertir, distrair... como nosso sistema de contagem... 1, 2, 3...

Pietra

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Tarot como obra de arte

Comprei, recentemente o deck Golden Tarot, da Kat Black. E preciso dizer que estou imensamente surpreendida.

O baralho é uma obra de arte. Ele brilha... e a qualidade tanto da caixa onde ele veio, quanto das cartas, quando do livro que o acompanha é muito superior a muitas coisas já publicadas.

Este é um trabalho da US Games e Kat Black o chama de "uma homenagem a toda a herança do tarot". E, embora, muitos digam que ele é um clone - talvez renascentista - do Waite-Smith deck, Kat diz que ele é uma forma de trazer um deck moderno (Waite-Smith) ganhe uma característica renascentista. Assim, que for novo ao tarot, se sente confortável e conhece um pouco do tempo no qual o tarot foi florescendo.

O fato é que dá uma pena de usar o deck... Todo aquele dourado em volta das cartas que se percebe quando elas estão juntas pode se arruinar (toc toc toc) e que triste isso seria. Porém, eu digo: se você o embaralhar com o carinho que ele merece, é um baralho excelente para mexer.

Ainda não fiz a minha primeira leitura com ele... talvez até demore um tanto. Mas preciso dizer que esse é um deck que vale a pena ter na coleção.

Tanto pela quantidade de símbolos que são revistos - Santa Úrsula como O Mundo e o Green Man como Enforcado... Quanto pelo conjunto de beleza que ele é. Uma leitura, uma junção de várias pinturas renascentistas para fazer um deck moderno e lindo.

Alguém já leu com ele? Como foi? Assim que eu tiver uma novidade, eu conto!
Pietra, mused!

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Curso online de Tiragens e Leituras - out. 2011


Mais uma modalidade de curso online.

Vamos praticar semanalmente uma leitura diferente.
1 - A Mandala Astrológica.
2 - 3 cartas, aconselhamento de Lua Cheia.
3 - Tiragem dialogada.
4 - SURPRESA!

A partir do dia 20/10, às 20hs. Curso via Skype.
Investimento: R$90,00

Dúvidas? Inscrições?
Me escreva! dichiaroluna@gmail.com

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Roda da Fortuna

Quando a Roda virou no meu aniversário, na minha leitura do mês, caiu uma linda Roda da Fortuna.

E, é claro que, tem um tanto para ficar pensando e fazendo. Quero dizer, de cara a coisa não ficou mt claro.

Aliás, talvez seja um pouco disso, sabe? Tarot é uma coisa que precisa de tempo. De alguma maturação. E talvez, até, seja isso que a Roda venha mostrar.

Quando a Roda gira, ela muda a estação. Ela te coloca em um outro momento da vida. Pra cima ou para baixo? Que diferença que faz?

Não faz... um círculo não tem esse tipo de perspectiva... tem apenas de ciclicidade. De movimento. O certo é que, o movimento nunca para.

Quando fazemos aniversário, passamos por uma passada da Roda.
Quando o ano troca, assim se dá...
E sempre é a marca de um tempo novo.

Roda da Fortuna, pode ser sorte, claro.
Mas a sua sorte é você quem faz, não é? Quando o inverno chega, quando a roda vira que ele seja presente, saiba é momento pra sopa. Quando vira pro verão, é época pra caipirinha gelada.

O que eu quero dizer com isso?
Bom, a minha roda rodou para um lado de trabalho e de aprendizagem, assim, estou aprendendo... deixando alguns paus... sim, tem um 10 de paus na jogada... Mas tem tb um Cavaleiro de Ouros... e um 10 de copas. Oba... vamos trabalhar para curtir - quiçá - uma terceira lua de mel.

Pietra, trabalhando.

domingo, 9 de outubro de 2011

Tarot top 10

Cartas "eu quero!"

 10 - A Estrela
Que beleza de carta... é linda em qualquer deck e sempre nos lembra que temos algo para seguir e uma luz que nos guia.

9 - 3 de copas
Quão feliz não é dividir nossas alegrias com as pessoas?

8- ás de ouros
Uma delícia saber que nossos planos tem uma grande chance de frutificar!

7 - A Temperança
Quanto mais nos conhecemos, mais podemos melhorar e nos aceitar. Crescemos e nos tornamos em nós, uma coisa cada vez melhor.

6 - 6 de paus
Celebrar o crescimento e o reconhecimento dos nossos fazeres.

5- ás de espadas
Porque sempre precisamos de uma brisa muito fresca na nossa cabeça!

4 - A Imperatriz
Criatividade e florescimento. A alegria de um jardim bem formado. E a beleza de ser mulher - claro!

3 - 10 de ouros
E quem não quer a família bem, feliz e estruturada? Família que cresce e amadurece junto.

2 - 10 de copas
Sabe aquele sentimento gostoso de missão cumprida? Então...

1 - O Mundo
Porque todo mundo quer aproveitar tudo o que já trabalhou na vida =)

Qual é a carta que vc mais quer que apareça nos seus jogos?
Pietra

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Uma história de tarot

Ler "O castelo dos destinos cruzados" e estudá-lo um tantico na pós-graduação, me faz pensar em um tanto de tudo... e de como as imagens do tarot podem nos deixar em hiper-texto... ou seja, em uma imaginação sem fim do que vem em seguida.

E assim é, eu imagino quando fazemos uma leitura (até para nós mesmos - quiçá principalmente) e as cartas se deitam na nossa frente, quantas coisas não se desenham na nossa cabeça, quantas possibilidades podemos construir com aqueles símbolos.

Housewives Tarot
Quando editamos cartas, fazemos um mapa. Como é que vamos interpretá-lo? Quantas opções não podemos ter mediante a uma Roda da Fortuna?

Bem, vou contar uma história que vai sendo ilustrado com as cartas da minha lua cheia.

Mês de aniversário. Chegada da primavera. Sim, é a virada do tempo, a chegada de uma brisa nova. E com isso, são muito perceptíveis as mudanças.

Novo emprego, novo papel... algumas coisas se concorda mais, outras, menos. O fato é que é preciso ser galante. Pegar o carro, os livros, sorrir e levar o material que os professores precisam para suas aulas.

Porém, entrar em um ramo novo, deixar as folhas novas brotarem daquela árvore tem um certo preço. A adaptação nos deixa com muitos parâmetros. Muitos mesmo? Como lidar com tudo? Claramente, com tudo não é possível.

Bom, é quando o equilíbrio se faz necessário. Tem horas que é preciso mesmo andar e fazer um pouco mais devagar... andar com um cavalo com firmes patas - todas - no chão. E devagar e sempre, e se adaptando e percebendo o que é mais adequado para o momento que nos satisfazemos e quem sabe, não desvelamos em nova carreira?

Onde você vê, no texto, as cartas ilustradoras?
Pietra, escrevendo

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

7 de ouros e a paciência da Mãe Natureza


Colocar uma semente no chão e esperar ela crescer não é um trabalho fácil. 
Cuidar, angariar, nutrir.
Penso muito nisso como um filho que temos. Ele nasce... dá bastante ansiedade e a coisa toda. Mas, é muito engraçado que, mais frequentemente que não, pessoas dizem: nossa, como ele cresceu... como o tempo passa. 

E esse, para mim, é o espírito do 7 de ouros. 

Gaian Tarot

Eu nunca consegui ver essa carta como uma falha, como algo que não vai dar.
Para mim, eu vejo nela a promessa. De um fruto doce... De uma oportunidade que está se fazendo e amadurando ao sol.

O 7 de ouros se provou para mim como uma promessa de coisa boa quando se tem paciência. E se observa.
Claro que podemos observar em demasia, divagar e deixar com que o bom fruto cresça e nos deixa aproveitar.

Salada de frutas, gente?
Pietra

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Instrumentos, usos e nós mesmos

Estava conversando com uma professora hoje e ela me dizia que muitas vezes percebe que os alunos sabem fazer coisas, tem os instrumentos, porém não os usam. 


Muitas vezes, eu mesma percebi a mesma coisa... Sabemos ler, escrever, temos computador, vários meios que não utilizamos para melhorar nossa qualidade de vida. Os alunos, adolescentes, têm uma tendência de achar, geralmente, que sabem muito e que não precisam de ajuda. E acho que, podemos correr o risco de cair nisso, e não ler mais livros, achar que nos damos pro nós mesmos.



E assim, sabendo que esse é um tópico que dá pano pra manga, gostaria de olhar para ele com umas idéias e uma experiência na cabeça.

No 2o. Fórum de Tarô e Simbologia que aconteceu agosto passado, ouvi da doutora e taróloga Tova Sender um pensamento muito interessante e que, associado com uma sugestão de exercício de leitura da Mary Greer no livro Tarot for Yourself, temos uma medida boa para utilizarmos um instrumento que dominamos a nosso favor.

Na mesa sobre a consulta, Tova Sender disse que o oráculo se manifesta por meio da palavra. Ou seja, se não lemos, verbalizando o que está nas cartas, caímos no risco de ter uma leitura vazia e fria

Da Mary Greer vem a sugestão de, quando se tirar carta para si, vc se trata como consulente e lê suas cartas como se fosse para outra pessoa. Talvez até te afaste do bloqueio emocional que mts pessoas dizem sentir ao lerem para si.

Outubro acabou de começar! Fica o convite para que o seu aconselhamento mensal seja feito por ninguém mais, ninguém menos que você mesmo!
Pietra

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Atividades em outubro

Mystic Fair Brasil
Palestras sobre Oráculos, Espiritualidade e Bruxaria.

- 8/10: Ancestralidade e Espiritualidade.
- 9/10: Ofício da Strega
- 9/10 às 20hs: Diário de tarot

Mais informações da Mystic Fair: www.mysticfair.com.br
Entrada: R$10,00.
Todas as palestras são gratuitas


- Curso online de Leituras e Tiragens
a partir de 20/10 às 20hs.
Via Skype - 4 encontros semanais.
Investimento: R$90,00

Informações e inscrições
dichiaroluna@gmail.com


domingo, 2 de outubro de 2011

Da lista de arcanos encardidos...

Estava cá com meus botões pensando nas últimas postagens, a lista dos arcanos encardidos, tive uns feed backs interessantes.

Algumas pessoas não acham o 8 de copas encardido, por exemplo... porém muitos me cobraram: Pietra, cadê o 10 de espadas?

E eu pensei comigo: 10 de espadas já era. Para que se preocupar com ele?

Bom, dos andares que eu já tive pelo mundo, pelas consultas e pelas minhas próprias tiradas, eu pude perceber que o 10 de espadas se equipara a uma Morte. E com tudo que ela tem. Até acho que ele pode doer um tanto mais, uma vez que que estamos falando de estocadas aqui. Mas de certo, quando o 10 de espadas se dá é pq não tem mais por onde. E aí vc mata. Ou morre.

Druidcraft Tarot
Pensar no 10 de espadas como uma ilustração de história, é aquele momento no qual derrotamos o vilão, o qual não existe mais outro jeito o fim triste se dá.

Porém, o que é o fim, senão um trampolim para um novo começo?

Eu penso que o 10 de espadas se torna uma coisa encardida e mal resolvida exatamente quando a pessoa não consegue exprimir dela o autoconhecimento do  10 de espadas: as espadas chegaram a 10; acabaram. Não é preciso nem mais pensar. Se entregue e saia do ar... ganhe um fazer fluído e vá para um novo momento.

Do pulo do 10 de espadas para um outro ponto. Para onde você quer ir?
Pietra