Boas vindas a quem chega!

Este é um blog destinado a falar de tarot. Para escrever sobre tarot e suas infinitas possibilidades. Para ler tarot, presencialmente ou online.

Para agendar a sua leitura, entre em contato: pietratarot@icloud.com ou (11) 98136-2050

quinta-feira, 31 de março de 2011

Ler ou não ler para si mesmo...

Última postagem da série baseada no livro 78 degrees of wisdom, da Rachel Pollack.

Essa é uma dúvida que dá, sempre, muito pano para a manga!!

Eu confesso que sim, eu leio para mim mesma. E sei que não se trata da atividade mais recomendada pela maioria dos tarólogos.

Por que alguém não deveria fazer isso?
Bom... motivos existem muitos... até 78 eu diria, hihihi
O que é um argumento muito válido para essa coisa de não ler para si é um simples: vc pode ver coisas que não estão lá... ou pior, ignorar coisas que sejam óbvias. Se lemos os símbolos como os vemos, será que não os anulamos ou ignoramos quando nos assustamos?

Rachel Pollack nos coloca que uma coisa que corremos o risco de fazer - e que eu mesma já me peguei fazendo - é pensar: ixi, 8 de espadas? Ah, mas não vale... foi só um treino.

Tá certo que muitas nos assustamos com o que a gente mesmo vê... mas, precisamos lembrar que temos de ter a mesma calma que temos quando estamos com o consulente.

Vale pensar tb que podemos nos tornar pessoas que se viciam nas coisas e acabam perguntando para as cartas qual marca de papel higiênico deveriam comprar. Isso é mau. Muito mau...

Por que faço isso?
Ok, eu até sei que talvez não deveria, rs... que resposta mais fugidia... Mas, na verdade, eu acho que se temos os instrumentos, os devemos usar da melhor forma possível.

O que isso quer dizer?
Que o tarot é um instrumento de, antes de tudo, autoconhecimento. Ou seja, é um conjunto de conhecimentos, é a linguagem que podemos falar conosco... Sem fazer previsões intencionais, temos possibilidade de conhecer bons jeitos de andar o nosso caminho e aprender mais sobre nós mesmos.
Quem sou eu como A Imperatriz?
Como eu consigo lidar com O Enforcado?
Onde acontece o 4 de espadas comigo?

Essa reflexão, que eu faço comigo mensalmente, me ajudam a saber, sempre mais, sobre onde colocar meus pés. Nem sempre é um aprendizado simples, fácil ou leve, mas que integram imensamente ao caráter e à alma.

O que vc, tb tarólogo ou estudante ou professor, faz em relação a isso?

E se vc quer fazer também, saiba que o curso online começa agora em abril!
Pietra

quarta-feira, 30 de março de 2011

Numa coisa que acredito muito...

Set comemorativo de 100 anos do Waite-Smith Tarot.
O meu Pictorial Key veio nesse set.
"The true Tarot is symbolism; it speaks no other language and offers no other signs. Given the inward meaning of its emblems, they do become a kind of alphabet which is capable of indefinite combinations and makes true sense in all." Arthur Edward Waite, The Pictorial Key to the Tarot

"O verdadeiro Tarot é simbolismo; ele não fala outra língua e não tem outros sinais. Dados os significados intrínsecos de seus emblemas, eles se tornam uma espécie de alfabeto que é capaz de combinações indefinidas e faz verdadeiro sentido em todas elas." tradução minha.

Tarot é uma linguagem... a linguagem do inconsciente, do cálculo que nós mesmos fazemos de nossos caminhos em lugares da mente que nem sempre chegamos pelas vias conscientes... Nós, tarólogos, somos falantes e tradutores dessa linguagem.

E tenho muito orgulho disso =)
Pietra

segunda-feira, 28 de março de 2011

5 coisas que iluminam

Presente gentil da Lú Onofre que veio, por sua vez, da Arthemise. Assim, agradeço o carinho, meninas!


Agora, vem o lance: 5 coisas que me iluminam...
1. o nariz rosa do Xico...
2. Meus decks de tarot...
3. o beijo do amor...
4. ver meus alunos melhorando a leitura e curtindo livros...
5. estar com pessoas trocando boas ideias!

5 blogs iluminantes!

Boas leituras!
Pietra

sábado, 26 de março de 2011

Tiragem da lua cheia e os arcanos menores fugidios

Como eu tinha colocado anteriormente, eu costumo fazer uma leitura de aconselhamento toda lua cheia. E, essa lua cheia, pré-ano novo de Mercúrio, eu tive uma surpresa... bem curiosa, eu diria.

Magical Forest Tarot
Quando fui fazer minha tiragem, depois de embaralhar e fazer minhas orações, cortei o deck e veio meu primeiro arcano: O Imperador. Achei ótimo de cara! É ano do Imperador!!! E estou precisando organizar a vida com a nova rotina... enfim, foi um bom sinal!

Então parti para os arcanos menores, que são meu caminho da lunação. Quando cortei o deck... veio O Sol... pensei que seria um conselho... continuei em busca dos meus arcanos menores... e no terceiro corte do deck... O Mago... eu juro que tentei mais uma. Foi quando veio O Louco.

Eu achei isso tudo tão engraçado, porque, de verdade, quais são as chances disso acontecer?  Quero dizer, temos muitos arcanos menores a mais... E fiquei com 4 maiores...

Como eu organizei minha tirada do mês, então? Como eu o faria... mas tudo com os maiores.

Vou sair do Imperador e, pelo Sol, chegar no Mago... O Louco vai ser meu conselho... Ou, no limite, vou ver como é que esses arcanos se entrelaçam esse mês.

Pietra

Como e por quê fazer um caderno, um registro de leituras?

Mais um da série baseado no livro 78 degrees of wisdom, da Rachel Pollack.
Aliás, quero ver se, depois, eu coloco uma das leituras propostas por ela. São muito interessantes =)

Tarot journal, do Alchemical Tarot
Oferecido no site do Tarot Connection
www.tarotconnection.net/shop/

Uma ideia que está presente no livro é que, quando escrevemos, nossas ideias ficam mais fortes, e melhor elaboramos o que pensamos, entendemos e assim, abrimos espaço para melhorar nossos pensamentos e conhecimentos sobre uma determinada coisa.

A escrita é uma forma de codificação da linguagem e o melhor que podemos fazer para deixar nossas marcas, dentro da linguagem e dentro da nossa comunidade é lançar mão dessa ferramenta tão importante que é a escrita. E para ter uma boa escrita, fluência, bons signficados, um texto significativo é preciso treinar. Escrever aprendemos, observando e escrevendo. E quanto mais escrevemos mais significado vamos agregando à nossa escrita. Como a leitura, é uma atividade que se retro-alimenta.

Uma outra coisa muito importante é que o registro que deixamos, além de um exercício prático, ele nos deixa um mapa.

Toda vez que escrevemos algo, seja na web, num caderno, num diário... ela pode ser revisitada. Ou seja, podemos voltar e fazer uma avaliação e aí, temos:
- será que o que pensávamos, em determinado tempo, sobre um arcano mudou?
- como minha vida mudou frente a leitura feita?
- o que eu pensava sobre um símbolo? Isso mudou ou não?
- com quais decks eu trabalhava então? Estou com outro? Pq?
- O que venho incorporando nas minhas leituras que aprendi com o tempo?

Fica o convite! Escreva!
Pietra

quinta-feira, 24 de março de 2011

Chá de Tarot - muitos encontros até o fim do semestre!


 Marcamos diversos encontros do Chá de Tarot! Várias oportunidades para sentarmos, tomarmos um chá e batermos papo, estudando diferentes tópicos do tarot.

Breve, mais informações sobre os encontros.

Vejo vcs em abril!!
Pietra

terça-feira, 22 de março de 2011

Podemos tomar decisões baseados 100% numa leitura de tarot?

Mais uma da série baseada no livro 78 degrees of wisdom, da Rachel Pollack.

Esse livro tem uma parte extensa e muito rica no que concerne leitura de tarot. Desde reflexões, como esta, até a prática e simulações do que seria, por exemplo, ter um Imperador quando a pergunta é sobre relacionamentos? Aliás, esse é um ponto muito interessante: como fazer os símbolos que estudamos e reconhecemos em diferentes decks parte da leitura e do cotidiano ou mesmo, da reflexão de autoconhecimento?

Bom, as leituras são uma forma de esquematizar os símbolos e tirar o melhor dos símbolos e do que queremos saber deles. É como organizar um gráfico ou mesmo, diagramar uma página. Mas, será que o nosso layout é sempre o melhor? Ou as nossas perguntas? Ou as decisões que tomamos são as melhores, baseadas no que lemos?

Durante essas ideias todas, Rachel Pollack coloca: "o problema de tomar uma decisão baseado numa leitura de tarot é nunca saberemos como seria o outro lado, o que não fizemos, o que decidimos não fazer, uma vez que nos decidimos pela tendência da leitura". - versão minha.

E acho que aí fica o grande ponto de discernimento entre o tarólogo e o consulente... Se temos uma boa leitura, com bons prognósticos ou ainda, uma reflexão com um arcano bacana de trabalhar como A Estrela, significa que podemos ou devamos seguir essas energias cegamente?

Bom, eu não acho que podemos chorar sobre o leite derramado... o que eu quero dizer é que o "ah, mas e se..." não resolve. Quando temos uma leitura ou um conselho de um arcano, seja O Sol, seja A Torre recebemos duas cargas: a primeira impressão sobre o arcano e algumas ideias que já temos e, posteriormente, o que passamos, sentimentos e percebemos no período em que se mostram. E ambos são importantes e merecem igual atenção... tanto para MUDAR de rumo... de rota... quanto para sentir e seguir em frente.

Existem movimentos na vida que não conseguimos evitar... acho que A Morte e A Torre, por exemplo, nos falam muito sobre isso... e não tenho muita certeza sobre como podemos evitá-las... Por outro lado, quando A Imperatriz nos fala de criatividade e de energia feminina, podemos direcionar tudo isso de várias formas.

Assim, acredito que 100% de tudo não seja absolutamente possível, mas que os prognósticos, sentimentos e estudos tem de ser nossos guias... acho que toda leitura é, em essência, um mapa.

Pietra

segunda-feira, 21 de março de 2011

Escrita: Os arcanos na minha linha do tempo


"Os Arcanos na sua linha do tempo".
"Instantes marcantes e Arcanos que recriam seus momentos e memórias, essa é nossa pauta agora.
Na trilha do livro da vida há um ou mais de um Arcano que registrou ou irá registrar suas experiências e vivências, nosso convite é tecer com você esse percurso, identificando esses Arcanos e a essência que eles guardam da sua linha do tempo. Afinal lidar com eles é um infinito exercício de aprendizagem e reflexão, lembrar do nosso passado mediante eles é exercitar de fato as lições que eles carregam".

Quando a Luciana veio com essa proposta, eu pensei imediatamente num lance que me aconteceu há mais de 10 anos atrás.

Em 2000, eu tinha tudo bem certinho para ir viajar para os EUA e passar lá um ano como au pair, uma espécie de babysitter , mas eu tb poderia estudar e ganharia um salário diferenciado, além de poder, no 13º mês, fazer uma viagem pelo país. Eu tinha 21 anos na época e tudo isso pareceu MUITO PROMISSOR! Eu já tinha ido aos EUA algumas vezes e passar um ano lá fazendo coisas legais e agregando à minha carreira de educadora seria incrivel. Então fiz todo o processo de seleção, paguei todas as taxas, fui atrás de visto de estudante... até antecedentes criminais eu tirei na época... tudo para poder caber dentro dos requisitos do programa. E, deu certo!!!!

A Torre, Old English Tarot
Fui viajar... e com tudo certo: família, casa, curso, tudo! E estava muito feliz. E... tem uma passagem de tarot curiosa antes de ir viajar... Na época, eu fazia parte de um grupo, de um coven... e na minha despedida, que foi perto da Primavera, foi feita uma leitura de tarot... e a carta para mim foi A Torre. Me lembro até hoje da leitura, a luz do fogo... e aquela carta sendo virada.

Preciso dizer que uma leitura nunca foi tão incrivelmente acurada... A Torre foi a minha viagem, que não deu certo... foram alguns dias nos EUA para tudo dar errado... o intercâmbio, a família com quem eu ia morar... e foi a minha passagem de uma estudante de Bruxaria para uma pessoa que além de estudar, tomou uma decisão: sair por aí e mostrar que podemos nos expor, falar quem somos e o que acreditamos e oferecer às pessoas... foi quando todo o lance de começar a fazer palestras e escrever textos começou... Quando eu efetivamente conheci a Bruxaria Italiana, trouxe os livros do Raven Grimassi para o Brasil - livros, aliás, que foram fruto dessa viagem.

Muita coisa mudou de 2000 até aqui...eu mudei muito. Mas algumas coisas não mudaram... o tarot estar envolvido na minha vida... a minha vontade de falar com as pessoas... ser e gostar de ser bruxa =)

A Torre foi uma destruição, mas que me fez caminhar pruma vida que é o hoje... a Torre derrubou a semente que caiu na terra... =)

Pietra

quarta-feira, 16 de março de 2011

Das ideias que eu tive... Aulas online

Poxa, vida!
As ideias ás de espadas foram bem recebidas =)

Assim, vamos lá.

As aulas online de tarot acontecem a partir da primeira semana de abril, em dois horários semanais. Segundas-feiras a tarde, primeira no dia 4, das 15 às 17hs, via Skype.
Quintas-feiras a noite, primeira dia 7, das 20 às 22hs, tb via Skype.

O investimento é de R$75,00 por mês.

Para se inscrever, me mande um mail com seu nome, telefone, experiência com o tarot e o que gostaria de aprender, discutir, conversar nas aulas. Cada aula vamos falar de arcanos maiores, menores e uma forma de leitura.

Quaisquer dúvidas, entre em contato: dichiaroluna@gmail.com

Pietra

terça-feira, 15 de março de 2011

Umas ideias que brotaram aqui...

Epinal Tarot, ace of swords
Pensando em disponibilizar aulas online sobre arcanos maiores, menores, leituras e trabalhos não-divinatórios com o tarot...

Novidades logo!

Pietra

segunda-feira, 14 de março de 2011

A que serve uma leitura de tarot?

Leitura de prós e contras, Nova Tarot.
Como proposto em posting anterior, sobre o livro 78 degrees of wisdom, eu quero falar um pouco sobre como utilizar uma leitura, pensando pela proposta da Rachel Pollack. Que, by the way, é muito interessante!

Fazer uma leitura é um tremendo exercício e talvez a coisa mais prática que podemos fazer com um deck de tarot. Em alguns momentos, o fazemos para nós, desde uma orientação para o dia até uma leitura de um ano todo... e o mesmo, claro, vale para quando fazemos com o consulente. Esse sim, vem ao tarólogo com diversos propósitos.

E quando fazemos isso, estamos lidando com percepção, energia e relacionamento humano.

Assim, a leitura pode valer basicamente para dois propósitos: o do tarólogo e do consulente.

Do tarólogo, porque a leitura de tarot é um exercício de percepção. E ler tarot, que é uma linguagem - para mim - é como se faz com qualquer exercício de leitura: dá fluência! Ou seja, quanto mais se lê, melhor e com mais "traquejo"se lê. É um exercício cumulativo... Prática à perfeição =) Além disso, nos ajuda a pensar em como pensar o que estamos fazendo e como vamos comunicar o que vemos. Ler tarot é transformar o símbolo em linguagem... pegar um símbolo e decodificar em palavras. São duas decodificações, ou seja, precisa sim de muita prática! De muita fluência.

Para o consulente, porque ele passa a ver os símbolos junto com o tarólogo e, antes de tudo, ele é o dono da questão, da vida sendo pensada e analisada... que está sendo lida. Assim, ele tem total possibilidade e autonomia de lidar com aqueles símbolos que se aprensentam. E assim, pode pensar e repensar seus momentos, motivações e situações.

Desse encontro temos uma relação humana. Independentemente de estarmos fazendo por rede ou ao vivo, quando fazemos uma leitura, lidamos com partes do íntimo das pessoas.

O consulente utiliza a leitura para obter informações e conselhos... para ter uma ideia de como sua vida floresce... O tarólogo utiliza a leitura como um relacionamento entre ele, as cartas e pessoas... ou no limite, entre ele e as cartas. E assim, a linguagem que o tarot é se fluidifica, ganha fluência, e cresce,  ajudando a todos os evenvolvidos e prova que o tarot é inesgotável e cheio de tempo!

Pietra

quinta-feira, 10 de março de 2011

Convite para o Chá de Tarot de março

Olá, pessoas!
Queria convidar todos para o encontro do Chá de Tarot que acontece dia 19 de março, no Bistrô Otto.

Junto com o Chá, teremos uma exposição de ceramistas de Ubatuba, SP.

Assim, nosso estudo do encontro será o naipe de Ouros e os trabalhos manuais e tudo que gera materialidade, bens e valor.

Para saber mais do local:
Bistrô Otto
Rua Pedro Taques, 129 - Consolação, SP
www.ottobistrot.com

quarta-feira, 9 de março de 2011

Escrita - blogagem coletiva: Arcanos na sua linha do tempo

Olá, pessoas!
Chega mais um convite fresquinho para escrevermos sobre tarot. Fazer esse exercício de escrever sobre tem me mostrado minhas ideias de forma muito concreta e como podemos nos juntar a outros pelas nossas semelhanças ou aprender com diferentes pontos de vista.

Assim, a nova proposta vem para pensarmos em nossas vidas até a chegada do novo Ano Astrológico: dia 21 de março. Até lá, fica a consigna:

Os Arcanos na sua linha do tempo". Instantes marcantes e Arcanos que recriam seus momentos e memórias, essa é nossa pauta agora.
Na trilha do livro da vida há um ou mais de um Arcano que registrou ou irá registrar suas experiências e vivências, nosso convite é tecer com você esse percurso, identificando esses Arcanos e a essência que eles guardam da sua linha do tempo. Afinal lidar com eles é um infinito exercício de aprendizagem e reflexão, lembrar do nosso passado mediante eles é exercitar de fato as lições que eles carregam".


Se vc quer participar e não tem um blog, um espaço, ou se escreveu seu texto e quer compartilhar com outros estudiosos e fãs de tarot, nos escreva: Pietra dichiaroluna@gmail.com ou Luciana creattrix@gmail.com


Nos vemos com muitos casos e histórias interessantes no dia 21. Então, faremos uma proposta surpresa e rapidinha como Mercúrio/ Hermes deve ser!


Boa escrita!
Pietra e Luciana

terça-feira, 8 de março de 2011

Leitura: 78 degrees of wisdom

78 degraus de sabedoria,
capa original.
ou 78 degraus de sabedoria, da Rachel Pollack.

Mais um livro de estudo, diria eu, obrigatório. Com um insights e estudos e teorias ótimas tanto para cada um dos 78 arcanos quanto para leituras e história do oráculo, o livro convida a pensar e a olhar conceitos sobre cada uma das cartas que pensamos conhecer bem, mas que merecem sempre uma visita. Assim, o livro se torna aqueles que consultamos depois de uma leitura para nos esclarecer, depois de um conselho... depois de uma carta do dia ou mesmo para pensar em uma leitura para nos ajudar como tarólogos ou pessoas.

Uma 50a. leitura do livro acabou me colocando muito para pensar em temas que passamos como oraculistas e como estudiosos do Tarot.

Como utilizar uma leitura?

Podemos tomar decisões baseados 100% em uma leitura feita?

Ler ou não ler para si mesmo?

Como e por quê fazer um caderno, um registro de leituras?

Esses são alguns temas que eu pretendo colocar aqui no blog ao longo desse mês.

Se vcs já leram o livro e tem uma ideia, uma opinião ou um comentário sobre ele ou sobre os temas que vem em seguida, não se furtem em comentar!

Pietra

sábado, 5 de março de 2011

Velhos amigos

Costas das cartas do Tarot of the Cat People.
Esses dias, mexendo nas coisas em casa, me re-encontrei com o livro que acompanha o Tarot of the Cat People. E me peguei maravilhada! E me lembrei porque eu comprei esse deck, um dos meus primeiros, em 2003.

Eu li muito com esse deck. Claro que tudo começou com a paixão pessoal por gatos. E com ela, a vontade de ler com um deck diferente do Mitológico, que era o que eu tinha na época. Ou seja, foi meu primeiro deck importando. Hoje o tadinho nem tem caixa mais... está numa bolsinha, guardado na coleção. Mas com uma vontade de voltar a lidar com ele.

Acho que uma coisa interessante disso dos nossos velhos decks é a saudade. O relembrar do sentimento de fazer uma leitura com aquele deck. Porém, compreendo que uma contra-indicação disso tudo é quando percebemos que o deck não nos serve mais... eu tenho essa impressão com o Tarot of the Old Path...

Quantos amigos temos em casa? O Tarot of the Cat People me fez revisitar meus outros decks antigos... mesmo o Mitológico... ou o Lord of the Rings Tarot ou ainda o meu deck arturiano. É gostoso revisitar, rever imagens que já nos ajudaram ou ajudaram consulentes em leituras.

Eu penso que os nossos decks fazem um percurso dos nossos interesses. Os que vamos usando, os que guardamos, os novos que compramos... mesmo os que ganhamos. Eles perspassam nossos estudos, interesses, conhecimentos e entendimentos de mundo. Tanto que existem decks que sempre estão na cabeceira da cama. Outros se guardam. Hoje, eu resgato um.

Hoje em dia, seria um deck que eu usaria com as amigas gateiras, ou com consulentes que gostam de gatos.

Para ver todas as cartas desse deck, clique aqui!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Leitura: The Tarot, history, symbolism and divination

O livro do Robert Place passeando no Chá de Tarot.
do Robert Place. Um ótimo livro de estudo. Aliás, um ponto importante a se tocar é esse: tarólogos são profissionais e geralmente fazem suas atualizações e reciclagens com cursos, conversas e leituras. E este é um ótimo estudo.

Primeiro de tudo, quero dizer que eu sou muito fã do Robert Place. Ele é o autor do The Alchemical Tarot, que por si só é um deck incrível e cheio de possibilidades. Imagina quando a História do Tarot, os símbolos e as formas de uso divinatórios são explorados numa obra. É incrível.

Eu acredito que é sempre muito importante quando fazemos um estudo, um trabalho, saber por qual caminho seguimos. Um dos caminhos que eu gosto para o tarot é o da Psicologia Analítica, pelos estudos de Carl Jung. E dele, reconhecer a importância dos símbolos na construção dos conhecimentos da humanidade.

O livro The Tarot: History, Symbolism and Divination é um instrumento ótimo para seguir nesse caminho. Primeiro porque ele busca a História do tarot saindo do lugar comum da vinda pelos ciganos etc e tal... e faz uma análise das ideias renascentistas que fizeram com que as tradições e as ordens adotassem o tarot como um estudo além dos símbolos, mas também com um trançado entre Ocultismo, Cabala e Astrologia, por exemplo.

Claro que temos toda a parte de interpretação dos símbolos e de leituras. E isso é muito importante, principalmente quando estudamos o porque as cortes que influenciaram o construção do tarot até o padrão que aceitamos hoje utilizaram os símbolos que hoje são re-interpretados de tantas formas pelos vários criadores de decks.

Recomendo então para quem quer conhecer a História do tarot sem misticismos e obscurantismos, mas com pesquisa. Para quem quer saber mais dos símbolos e ver como os antigos estudiosos nos ajudam a pensar o tarot até hoje para que possamos, por nossa conta, pensar os símbolos e a sua leitura.

Para entrar em contato com Robert Place, você pode conhecer o seu site, The Alchemical Egg,  ou segui-lo no Twitter: @robertmplace