Boas vindas a quem chega!

Este é um blog destinado a falar de tarot. Para escrever sobre tarot e suas infinitas possibilidades. Para ler tarot, presencialmente ou online.

Para agendar a sua leitura, entre em contato: pietratarot@icloud.com ou (11) 98136-2050

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Sente-se, por favor

O tarot é uma ferramenta excelente para todos. Desde quem busca autoconhecimento até para as mais cotidianas adivinhações. O baralho pode ser parte da sua mão, e os símbolos, sua segunda língua. Tanto que até se corre um risco de fazer uso de uma linguagem jargonesca, cheia de "piadinhas internas" de tarólogos. E não que se deseje que as pessoas fiquem de fora. Não. Talvez seja um convite para se inteirarem mais e mais. Um forma de colocar sim uma pulga atras da orelha.

A questão é que nem todos no mundo querem saber de tarot. Ou querem, mas que os tarólogos façam a previsão e as pessoas as recebam. É quase como um processo de ir a um restaurante. Você quer comer. Não se importa muito com o como ou porque aquela comida está sendo feita. Problema do chef. Com a previsão, a mesma coisa. Problema do tarólogo.

Mas, de tudo, acredito que seja vital que tarólogo e consulente se encaixem. Como a comida e o restaurante. Quem não gosta de sushi, não vai ao japonês. Os encaixes se dão, então, não só em agendas, e sim numa empatia que faz com que se confie naquela pessoa na sua frente. O tarólogo pensa: será que ele/ela está aberto para mim? Será que veio buscar um conselho ou quer que eu adivinhe o que está pensando? E o pior de tudo: será a pessoa vai me ouvir?

Já o consulente deve pensar coisas como: será que essa pessoa sabe o que está fazendo? Será que vai acertar meu caso? Será que não vai dizer que eu "tenho macumba e preciso fazer um trabalho de limpeza de muitos reais"?

Tudo aqui é legitimo. Todas as preocupações. Todos os receios. Porque uma pessoa entrega a um tarólogo um momento único de sua vida. É a confiança. Já o tarólogo precisa ler as cartas e fazer com que caibam num contexto coerente para aquela pessoa à sua frente. Um equilíbrio imensamente delicado.

Assim, tudo começa com um sorriso cordial:
- Sente-se, por favor. No que eu posso te ajudar?

A conversa transcorre e, quiçá, a química acontece. O consulente conta sua vida buscando orientação, percebendo que nem sempre é como se quer. O tarólogo, compreende, ajuda, acolhe e termina:
- Vai. Tira uma última carta. Ela é para você ser o melhor você que puder ser.

A leitura desse derradeiro conselho deixa pessoas fortalecidas. Seja para acompanhar seus aconselhamentos prévios, seja para ouvir um sim ou não, seja para lidar com quaisquer 5s que apareçam pela leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário